COVID-19: Retalho alimentar

Durante a pandemia da COVID-19, o setor do retalho alimentar enfrenta os maiores desafios em manter os mais elevados padrões de higiene.

O setor luta diariamente, protegendo a equipa do risco de infeção, mantendo o distanciamento físico ao lidar com um grande número de clientes, mantendo-se aberto e garantindo o fornecimento adequado de alimentos.

É muito improvável que os manipuladores de alimentos dos estabelecimentos comerciais contaminem os alimentos se seguirem as boas práticas de higiene pessoal padrão, pois estas reduzem o risco de transmissão da maioria das doenças transmitidas através dos alimentos. Medidas como lavagem frequente das mãos, uso de desinfetantes para as mãos, uso de roupas de proteção, utilização de máscara ou viseira  ou boa higiene respiratória reduzirão o risco de propagação da doença.

Os empregadores devem enfatizar a importância de lavar as mãos com mais frequência. Cumprir e manter as boas práticas de higiene, proceder à limpeza e desinfeção de superfícies que são tocadas regularmente com mais frequência. Os trabalhadores que apresentam os sintomas da COVID-19 devem informar o empregador e procurar aconselhamento médico.

Manter o distanciamento físico nas instalações é fundamental para reduzir o risco de transmissão da doença.

As medidas práticas que podem ser usadas pelos retalhistas incluem o seguinte:

Regular o número de clientes que entram na loja para evitar a aglomeração;

– Colocar placas informativas nos pontos de entrada para alertar os clientes que não entrem na loja se não estiverem bem ou tiverem sintomas da COVID-19;

Controlo eficaz de filas consistente com os conselhos para o distanciamento físico, tanto dentro como fora das lojas;

Fornecimento de desinfetantes para as mãos, desinfetantes em spray e toalhas de papel descartáveis ​​nos pontos de entrada da loja;

– Usar marcações de piso dentro da loja para facilitar o cumprimento do distanciamento físico, principalmente nas áreas mais movimentadas, como balcões (padaria, talho, etc.) e caixas de saída;

– Fazer anúncios regulares para lembrar os clientes de seguir os conselhos de distanciamento físico e lavar as mãos regularmente;

– Introdução de barreiras de acrílico nas caixas de saída e balcões como um nível adicional de proteção para os trabalhadores;

– Incentivar o uso de pagamentos sem contato;

– À medida que os consumidores utilizam cada vez mais os seus próprios sacos de compras deve ser afixada (lojas, pontos de venda, supermercados) informação a aconselhar os consumidores a limpar os sacos de compras antes de cada uso;

Minimizar o risco de transmissão da COVID-19 identificando os pontos de contato frequente nas lojas e garantindo que eles sejam limpos e desinfetados regularmente. – Exemplos de pontos de contato frequente são carrinhos de compras, maçanetas de portas e balanças para uso do cliente.

As ações a serem tomadas incluem:

 

Fornecer toalhetes (ou outras formas de higienização) para os clientes limparem as pegas dos cestos e carrinhos de compras; ou designar funcionários para desinfetar após cada uso;

Itens de lavagem e higienização frequentes, como conchas, pinças e suportes de condimentos;

Manter as portas abertas sempre que possível para minimizar o contato.

Segundo a OMS e FAO, é altamente improvável que as pessoas possam contrair COVID-19 a partir dos alimentos ou embalagens de alimentos. No entanto, é importante falarmos de Segurança Alimentar.

Leia também o nosso artigo Covid-19: Manipuladores de alimentos: funcionários das cantinas

Open chat
1
Olá! Precisa de ajuda